19.5 C
Brasília
quinta-feira, 30/05/2024
- Patrocinado -bar do GG
InícioDistrito FederalGinecologista é preso no Entorno do DF suspeito de abusar de 12...

Ginecologista é preso no Entorno do DF suspeito de abusar de 12 pacientes durante exames

A Polícia Civil do Distrito Federal prendeu o ginecologista Celso Satoru Kurike, acusado de violação sexual mediante fraude. O médico foi localizado em Formosa (GO), cidade vizinha ao Distrito Federal, durante uma operação que contou com o apoio de um helicóptero e equipes terrestres. O R7 está em busca de informações junto à defesa do profissional e ao Conselho Regional de Medicina do DF. Pelo menos 12 mulheres, com idades entre 18 e 26 anos, denunciaram o ginecologista em diferentes delegacias do DF. Os supostos abusos teriam ocorrido entre os anos de 2012 e 2021. Os relatos das vítimas são semelhantes: durante os procedimentos médicos, o ginecologista fazia perguntas de natureza sexual e tocava o corpo das pacientes de maneira sexualmente conotativa. Uma das mulheres afirmou à polícia que, após os supostos abusos, o médico pediu um abraço.

Segundo a vítima, ao se despedir, o médico perguntou: “Me dá um abraço?”. Ela respondeu que preferia ir embora, mas o médico só permitiu sua saída depois que ela o abraçou. Outra paciente relatou que os procedimentos eram realizados apenas com o médico suspeito na sala, sem a presença de assistentes. “Nenhuma assistente entrou na sala onde ocorreu o atendimento”, afirmou a paciente. Ela percebeu que algo estava errado e foi ao banheiro se trocar. Ao sair, o médico estava à sua espera, com o pedido de exames em mãos. Ele entregou seu cartão à paciente e disse: “Foi um prazer”, em um tom que pareceu malicioso para a declarante. Uma das vítimas, identificada como Paula*, revelou que, após fazer a denúncia, recebeu uma ligação da defesa do médico. Durante a conversa, uma das advogadas tentou convencê-la a resolver a situação por meio de um acordo extrajudicial.

“A advogada do médico disse: ‘Você poderia nos dar uma possibilidade, né? Você poderia nos dar, eu aceito tanto, é valor pecuniário mesmo'”, contou Paula*. No áudio apresentado à polícia, a vítima rejeita o acordo e afirma que seguirá com o processo judicial. A advogada então pede para que ela “pense direitinho”.

“A assistente do médico também foi ouvida pela polícia e afirmou que esteve presente no exame de uma das pacientes. Ela disse: ‘Na hora do procedimento ele me manda uma mensagem pelo nosso sistema de comunicação pessoal, aí eu entro para auxiliar o Dr. na coleta'”.

  • Nomes fictícios foram utilizados para preservar a identidade das vítimas.
Glauber Erick
Glauber Erickhttps://glaubererick.com.br
Comunicação e Marketing, Jornalista, Assessoria de Imprensa e Produção Audiovisual.
NOTÍCIAS RELACIONADAS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!

Últimas Notícias