13.5 C
Brasília
segunda-feira, 17/06/2024
- Patrocinado -bar do GG
InícioDestaquesPM que matou adolescente durante abordagem em Samambaia vai a júri popular

PM que matou adolescente durante abordagem em Samambaia vai a júri popular

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) acatou uma denúncia do Ministério Público e decidiu que o sargento Edimilson Dias Ferreira Júnior irá a júri popular. O policial militar é acusado de homicídio doloso (quando há intenção de matar), por ter baleado um adolescente durante abordagem em janeiro do ano passado (relembre mais abaixo), em Samambaia.

O adolescente estava na carona de uma motocicleta que, segundo a PMDF, tentou furar um bloqueio policial. Conforme os militares, o jovem “fez menção de sacar uma arma da cintura”, no entanto, a família da vítima e o motociclista dizem que Gustavo não estava armado.

Segundo o MP, a defesa do militar entrou com recurso, que ainda está em análise. A reportagem não conseguiu contato com a defesa do policial. Já Polícia Militar do Distrito Federal informou que adotou todos os procedimentos necessários para a elucidação dos fatos e agora o processo encontra-se com o Poder Judiciário.

O inquérito para investigar o caso foi instaurado pela Polícia Civil em fevereiro de 2022. Em julho do mesmo ano, a investigação rejeitou a tese do sargento que alegou ter atirado em Gustavo Henrique Soares Gomes, na época com 17 anos, em legítima defesa.

Na decisão, o juiz Fabrício Castagna Lunardi, do Tribunal do Júri de Samambaia, afirmou que “considerando as provas colacionadas aos autos, reputo existirem indícios suficientes de autoria em desfavor do réu, que não há provas contundentes acerca da inocência”.

Gustavo morreu em frente a uma casa, na QR 609. Moradores gravaram imagens (veja vídeo abaixo) que mostram um Policial Militar passando, de moto, na rua onde estava o corpo do adolescente.

Segundo a família, Gustavo foi morto com um tiro nas costas. Já a PM disse que o tiro foi “no peito”.

Na época, os policiais entregaram um simulacro de arma de fogo na delegacia e disseram que o objeto estava com o adolescente. No entanto, a perícia mostrou que o simulacro não tinha as digitais de Gustavo.

Fonte: G1DF

NOTÍCIAS RELACIONADAS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!

Últimas Notícias