20.5 C
Brasília
sábado, 02/03/2024
- Patrocinado -
InícioDistrito FederalRenovação de contratos de ônibus no DF: Samambaia é uma das regiões...

Renovação de contratos de ônibus no DF: Samambaia é uma das regiões afetadas

Nesta quarta-feira (26/4), expira o contrato das empresas de ônibus que operam o transporte público em várias regiões administrativas do Distrito Federal, incluindo Samambaia, Taguatinga, Ceilândia, Recanto das Emas e Riacho Fundo. Os contratos, firmados entre dezembro de 2012 e julho de 2013 na gestão do ex-governador Agnelo Queiroz (PT), serão renovados por mais 10 anos. No total, cinco empresas são responsáveis pelas bacias do transporte público no DF, com passagens variando entre R$ 2,75, R$ 3,80 e R$ 5,50.

Dos acordos em vigor, quatro expiram em 2023. Urbi e Marechal têm seus contratos encerrados hoje. A Urbi é responsável pela bacia 3, que atende as regiões do Núcleo Bandeirante, Riacho Fundo I e II, Recanto das Emas e Samambaia. A Marechal presta serviços na bacia 4, abrangendo parte da população de Taguatinga, Ceilândia, Guará, Águas Claras e Park Way.

O contrato de prorrogação da São José é considerado o mais complicado entre todos, já que a empresa não cumpriu algumas cláusulas, incluindo a renovação total da frota de ônibus. Em dezembro de 2022, o governo do DF renovou o contrato da Viação Pioneira até dezembro de 2032, por entender que a empresa cumpriu com as obrigações contratuais.

O novo secretário de Transporte e Mobilidade, Flávio Murilo, se reuniu com a Comissão de Transporte e Mobilidade Urbana da Câmara Legislativa do DF para discutir a renovação da frota de ônibus e a criação de uma central de controle da pasta com as empresas de ônibus. A comissão questionou se Urbi e Marechal fizeram a renovação total da frota. A transparência dos contratos e a revisão dos horários e da frota foram outros pontos abordados.

O Tribunal de Contas do DF (TCDF) entende que a Semob deve realizar uma nova licitação para concessão de linhas de ônibus, já que os contratos atuais violam a lei e os princípios da eficiência, da modicidade tarifária e da transparência, além de causar prejuízos aos cofres públicos. A Semob afirmou que a renovação dos contratos atuais seria mais vantajosa para o governo do que realizar uma nova concessão, mas a equipe técnica do TCDF apontou várias irregularidades no modelo atual. O processo está sub judice e já foi investigado em uma CPI na CLDF.

Fonte: Correio Braziliense

Glauber Erick
Glauber Erickhttps://glaubererick.com.br
Comunicação e Marketing, Jornalista, Assessoria de Imprensa e Produção Audiovisual.
NOTÍCIAS RELACIONADAS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!

Últimas Notícias