20.5 C
Brasília
terça-feira, 05/03/2024
- Patrocinado -
InícioDestaquesAbertas inscrições para projeto em Samambaia que acolhe vítimas de violência doméstica

Abertas inscrições para projeto em Samambaia que acolhe vítimas de violência doméstica

O projeto Primaverando Margaridas abre novas vagas para acolher mulheres vítimas de violência doméstica no Distrito Federal. As oficinas ocorrem em Samambaia e promovem o empoderamento com atividades artísticas que estimulam o empreendedorismo, com cursos de canto coral, técnicas de crochê e amigurumi, técnica japonesa de artesanato.

As atividades são gratuitas, com vagas limitadas, e estão com inscrições abertas até 30 de julho. Cerca de 200 pessoas foram beneficiadas pela primeira etapa do Primaverando Margaridas. O encerramento da turma do primeiro semestre será comemorado sábado (1°/7) e domingo ( 2/7), em Samambaia, com uma cantata festiva e exposição de peças de crochê elaboradas pelas alunas durante as aulas.

Os cursos e os bate-papos que integram o projeto ensinam sobre o empreendedorismo com aulas gratuitas para capacitar as participantes. A maioria das atividades ocorre em Samambaia, no Galpão do Riso, mas também há programação em escolas para conscientizar sobre a violência contra as mulheres.

“É um espaço onde as mulheres podem dialogar, trocar experiências, e isso é muito bonito. A partir dessa troca, existe a possibilidade de cura, e a gente consegue criar um espaço de sororidade e acolhimento feito por mulheres”, explica Paula Sallas, idealizadora do projeto. “Dentro das escolas, a gente consegue alcançar um público masculino que, por muitas vezes, não sabe identificar essas situações.”

Carolina Beatriz Araújo Ovando, 42 anos, participa do projeto desde o primeiro semestre e o classifica como um divisor de águas. “Eu estava saindo de um relacionamento complicado e vi a divulgação do projeto. Pensei que pudesse me ajudar. Eu fui, me senti muito bem-acolhida por todas, e isso tem me ajudado bastante em termos de autoestima e para superar alguns problemas psicológicos”, compartilhou a analista de tecnologia da informação.

Ela participa do curso de crochê e pretende continuar no segundo semestre. “Vou às oficinas de crochê e estive também na conversa sobre os direitos das mulheres. Foi muito interessante, porque fiquei sabendo de coisas que eu não sabia. Não sei o que seria da minha vida, depois do relacionamento, se não fosse o projeto”, finalizou.

Fonte Agência Brasília

NOTÍCIAS RELACIONADAS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!

Últimas Notícias