26.5 C
Brasília
quarta-feira, 22/05/2024
- Patrocinado -bar do GG
InícioDistrito FederalCâmeras em policiais do DF: audiência pública vai debater sobre o uso

Câmeras em policiais do DF: audiência pública vai debater sobre o uso

A implantação de um sistema de monitoramento com câmeras em uniformes policiais vai ser discutida no Distrito Federal.

Uma audiência pública marcada para a próxima sexta-feira (23/6), na Câmara Legislativa, vai reunir deputados, o comandante-geral da Polícia Militar do DF, um promotor e especialistas, como a diretora do Sistema Único de Segurança Pública do Ministério da Justiça, do governo federal.

O debate foi proposto pelos distritais Fábio Felix e Max Maciel, ambos do PSol. O evento vem na esteira de dados como a queda da letalidade policial observada com a instalação de câmeras em uniformes de PMs de São Paulo.


Segundo dados da Secretaria de Segurança Pública do estado paulista, a letalidade policial caiu 72% em 2022 após a instalação desse monitoramento com a chamada bodycam. Especialistas e autoridades vão discutir a adoção do mecanismo de controle também no DF.

Entre eles, participam da audiência o comandante-geral da PMDF, coronel Klepter Rosa, a diretora do Sistema Único de Segurança Pública do MJSP, Bel Figueiredo, o promotor de Justiça Militar do Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT) Flavio Milhomem e o especialista em tecnologia de dados Marco Gomes.

O deputado distrital Fábio Felix já chegou a apresentar um projeto de lei sobre o tema. O PL 2336/2021 quer “instalar câmeras de vídeo e de áudio nas viaturas policiais que vierem a ser adquiridas e instalar micro câmeras nos uniformes dos policiais civis e militares, com capacidade de registrar o que o policial vê, ouve, fala e faz”.

“A utilização desse recurso já se mostrou eficaz nos estados e municípios que adotam as câmeras corporais. Quando há o controle social das atividades de segurança pública, tanto a população quanto os policiais só têm a ganhar. Por isso, apresentamos o Projeto de Lei”, destaca Fábio.

Para Max Maciel, o debate também é necessário para saber como vão ser utilizadas e armazenadas essas imagens. “O banco de dados tem que definir e avaliar como é feita a atividade policial, garantindo a proteção nas operações e também da própria vítima quando tiver abuso”, defende o parlamentar.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui
Captcha verification failed!
Falha na pontuação do usuário captcha. Por favor, entre em contato conosco!

Últimas Notícias